Editorial

Ciclovias em Vila Prudente

Há exato um ano, em 18 de setembro, a Prefeitura promoveu audiência pública em Vila Prudente para discutir a revisão das polêmicas faixas para bicicletas implantadas na gestão passada. A reunião contou com grande presença de moradores, comerciantes e ciclistas da região, mas só gerou expectativa. Nenhuma mudança prática aconteceu até o momento e todo mundo perde com essa morosidade.

Moradores e comerciantes têm em suas portas ciclovias que não têm razão de estarem ali, e provavelmente serão removidas quando a Prefeitura resolver se debruçar de fato sobre a questão. Conforme a Folha apurou, provavelmente esse será o destino de trechos das ciclofaixas das ruas Professor Gustavo Pires de Andrade, Pinheiros Guimarães e Mario Augusto do Carmo.

Por outro lado, os munícipes que se dispõem a pedalar no trajeto para o trabalho, para o estudo ou para o lazer não são atendidos com rotas realmente eficazes. Foram direcionados para vias íngremes e cheias de buracos – a impressão é que até o governo municipal já se esqueceu de algumas das ciclovias implantadas e abandonou a manutenção.

Recentemente, a Prefeitura já com Bruno Covas à frente apresentou o novo plano que prevê a criação de mais de 1.420 quilômetros de rede cicloviária na cidade até 2028, focando principalmente na conexão entre os modais de transporte. Para a Vila Prudente a meta é ampliar a bem sucedida ciclovia da avenida Anhaia Mello, implantada pela Companhia do Metrô sob os trilhos do monotrilho. Porém, o detalhamento do projeto, bem como qualquer outras intervenções necessárias, serão discutidas com a população e os ciclistas em audiência pública que ainda não tem data para acontecer.

Quem trafega ou caminha pela avenida Anhaia Mello já entendeu a importância de uma ciclovia bem feita para auxiliar a vida dos paulistanos, seja como opção de deslocamento com a bicicleta ou para o lazer. A longa faixa para bicicletas no canteiro central da avenida é amplamente utilizada dia e noite.

As ciclovias vieram para ficar. Mesmo quem não quer pedalar precisa respeitar o direito de quem adota a bicicleta como meio de transporte e contribui para gerar menos trânsito e poluição. Resta agora para a Prefeitura se empenhar para repetir o sucesso da ciclovia da Anhaia Mello em outros pontos da região.

 

5 Comentários

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado

Por favor insira um comentário
Por favor informe seu nome
Informe uma url válida.

  • Anônimo 8 de outubro de 2010, 20:24

    Agora temos que torcer para o governador ALCKMIM
    nao esqueca suas promessas de campanha.

  • Anônimo 14 de outubro de 2010, 14:51

    Se o SERRA, vencer agora para presidente, ficará melhor ainda, pois os recursos para São Paulo virão com maior facilidade.

  • Anônimo 15 de outubro de 2010, 14:47

    Uma Pena que quando a prefeitura de São Paulo teve a oprtunidade de fazer, não se concretizou, já que ano passdo vivemos um embate entre a prefitura e a sociedade civil no momento da revisão do plano diretor estratpegico da cidade, contra todo o clamor da população a prefeitura entregou uma revisão á câmara municipal sem uma avaliação e discussão de qualidade com a população, tanto é que diante do fato não houve clima politico para a tal revisão fosse votada pelos vereadores, revisão esta alvo de ações no judiciário, em 2012 é o prazo para a discussão de um novo plano diretor e que esperamos desta vez seja melhor debatido com a população, e não um plano meramente imibiliário.

  • Anônimo 15 de outubro de 2010, 14:54

    O que tem acontecido é o desrespeito ao atual plano, é o caso das tais operações urbanas anunciadas pelo atual prefeito, foram anunciados mais de 4 bilhões em investimento sem uma prévia discussão com a população da cidade e seus impactos.O futuro de uma cidade justa, sustentável, e iunclusiva deve ser discutido com seus moradores e o plano diretor é o instrumento legal para isso.

  • Anônimo 2 de Março de 2012, 17:30

    Esta tal de CET (Companhia Engano Todos), a unica coisa que sabem fazer é atrapalhar o trânsito e multar, só isto, e mais nada.