Editorial

*Editorial 24 de setembro

Semana da Mobilidade

A mobilidade é um tema vital em todas as cidades. Está diretamente ligada ao acesso aos serviços, ao meio ambiente, ao lazer e à saúde da população. Diante da importância da questão, organizações de várias partes do mundo decidiram dedicar uma semana do ano para promover a reflexão, o debate e realizar ações de melhoria da mobilidade. Setembro foi escolhido, pois é quando acontece o Dia Mundial Sem Carro, celebrado na última quarta-feira, dia 22.

Na capital paulista ocorreram várias iniciativas ao longo desta semana. Uma das mais interessantes foi proposta pela São Paulo Transportes (SPTrans) que organizou uma ‘inversão de papéis’ na terça-feira, dia 21, na garagem da empresa de ônibus Ambiental, no Tatuapé. Na ocasião, motoristas de coletivos trocaram de lugar com ciclistas, com o objetivo de destacar o tema deste ano que é “Conviva com Respeito”. Após uma roda de conversa entre os grupos, os motoristas subiram em bicicletas, enquanto um ônibus articulado, conduzido por um instrutor, passava ao lado simulando uma experiência real de trânsito. Em contrapartida, os ciclistas sentaram no lugar do motorista para vivenciar a dificuldade desses profissionais para enxergarem os chamados pontos cegos. Fica o exemplo da necessidade de harmonia entre os diferentes modais – incluindo os pedestres que também devem se atentar às dificuldades de motoristas e ciclistas e se preocupar em fazer a travessia nos pontos indicados.

Outro destaque foi a importância de, sempre que possível, priorizar o transporte público. Na última quarta-feira, dia 22, o Metrô exibiu vídeo nas estações e trens, incluindo os da Linha 2-Verde, lembrando que é o sistema de transporte mais adequado ao meio ambiente. Movido a energia elétrica polui 20 vezes menos que um carro à gasolina. Levantamento feito pela Companhia aponta a emissão média de cinco gramas de CO2 para transportar um passageiro a cada quilômetro, enquanto um veículo movido à gasolina emite 101 gramas e um ônibus a diesel gera 91 gramas. Segundo o estudo, ao longo de 2020, o Metrô evitou a emissão de 503 mil toneladas de poluentes e gases do efeito estufa.

Que os dados sirvam também de reflexão e alerta para os governos (Federal, Estadual e Municipal) se unirem em torno de projetos de transportes eficazes e sustentáveis.

1 Comentário

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Por favor insira um comentário
Por favor informe seu nome
Informe uma url válida.
  • Elizabeth Florido 24 de maio de 2019, 12:05

    Ler um Editorial como esse com “e” maiúsculo, de um jornal também maiúsculo, a despeito da diminuição do número de páginas que o compõe hoje, é ter a certeza que existem pessoas, ainda, preocupadas com a realidade dos fatos e mais, com o que interessa: vida! E o verde reflete isso. Com certeza, não se trata de querer o terreno em sua totalidade, unicamente para uso de lazer, esportes e entretenimento, mas para que haja uma grande área de respiro, que inspire a contemplação do indivíduo ao passar por uma área livre, aberta, que evoca a nossa tenta infância quando se tinha campinhos e os chamados terrenos baldios. Paro por aqui porque o tema demanda discussões, mas bem mais o ato da reflexão sobre tudo isso. Deixo meus parabéns ao jornal, aos editores. Força para continuar em frente!