6 Comentários

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Por favor insira um comentário
Por favor informe seu nome
Informe uma url válida.
  • Anônimo 19 de junho de 2011, 23:08

    A Folha VP poderia, se possível, disponibilizar mais detalhes, ou indicar onde há mais informações sobre as possíveis intervenções na área?

  • Anônimo 23 de junho de 2011, 17:37

    Plano Diretoe estratégico de São Paulo -Lei 13.430 de 13/09/2002 “225, § 2º, estabelece que as Operações
    Urbanas Consorciadas são o conjunto de medidas coordenadas pelo Município
    com a “PARTICIPAÇÃO” dos proprietários, moradores, usuários permanentes e
    investidores privados, com o objetivo de alcançar transformações urbanísticas
    estruturais, melhorias sociais e a valorização ambiental, notadamente
    ampliando os espaços públicos, organizando o transporte coletivo, implantando
    programas habitacionais de interesse social e de melhorias de infraestrutura e
    sistema viário num determinado perímetro, e têm como finalidades, entre
    outras, a otimização de áreas envolvidas em intervenções urbanísticas de porte
    e reciclagem de áreas consideradas subutilizadas; a valorização e criação de
    patrimônio ambiental, histórico, arquitetônico, cultural e paisagístico, e a
    dinamização de áreas visando à geração de empregos, objetivos que se
    pretende atingir com a intervenção que será subsidiada pelo plano urbanístico
    a ser contratado.”
    Com a recente experiência sobre o processo de revisão do Plano diretor tyenhodúvidas sobre a real garantia de participação já que o entendimento da prefeitura é outro.

  • Anônimo 23 de junho de 2011, 17:40

    O atual palno Diretor Estratégico da Cidade aprovado em 2002 com vbewncimento em 2012, é na sua esencia instrumernto de coordenação discussão e implementação de politica de desenvolvimento urbano com viés participativo, creio que a oprtunidade está colcada temos que discutir o novo plano para o desenvolvimento equilibrado, ambientel e sicalmente sustentável.
    “PARTICIPAÇÃO JÁ”.

  • Anônimo 23 de junho de 2011, 17:47

    Dentre as diretrizes gerais da politica urbana é a gestão democrática da didade.
    No projeto de lei da operação urbana o mínimo que precisa ser garantido é a intituição de um grande conselho gestor da operação urbana.
    http://www.mdf.org.br

    • Anônimo 10 de julho de 2011, 04:21

      André, aproveitando que você é do MDF, existe algum projeto para os moradores da favela das Linhas Corrente, ou da que se formou abaixo do Cemitério de Vila Alpina? Obrigado.

  • Anônimo 10 de julho de 2011, 04:20

    Eu, apesar de entender a necessidade de criação de parques para a cidade de São Paulo, fiquei decepcionado com a possível implantação de um no terreno da antiga fábrica da Linhas Corrente, no Jardim Independência. Sou morador do bairro desde 1992, e acredito que perdemos uma grande oportunidade de desenvolvimento econômico, de geração de empregos. Temos muito perto o Parque Ecológico, que visito com relativa frequência, ele já tem um terreno de destino único a um parque. O terreno das Linhas Corrente poderia ganhar uma nova utilização, construção de um Shopping, Hipermercado, enfim.
    Um outro detalhe que eu considero de extrema importância é que, seja parque ou shopping, ou terreno baldio, os moradores da Favela Linhas Corrente acabarão sofrendo despejo, mesmo porque nem direito ao usucapião eles possuem. Mais cedo ou mais tarde serão retirados de lá, e terão que ir sabe-se lá para onde. Enfim, creio que se o desejo era ouvir a população, e de algumas reuniões participei, não o fizeram de maneira correta.