4 Comentários

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Por favor insira um comentário
Por favor informe seu nome
Informe uma url válida.
  • Anônimo 21 de novembro de 2014, 17:14

    O crematório deveria ser fechado e o porteiro só deixaria entrar pessoas que vão a velórios e coisas afim. É simples… NO parque é só os guardas ficarem na porta e não deixar entrar com linhas e pipas.

  • Anônimo 21 de novembro de 2014, 17:38

    Praticar meu hobby de fotografia não pode!
    Meu moleque andar de bike não pode!
    Agora empinar pipa com cerol ou linha chilena pode?
    Administração abra os olhos.

  • Anônimo 25 de novembro de 2014, 19:02

    Parte 1
    No dia 24/11/2014, depois da matéria sobre o problema das pipas no parque, estava caminhando no local quando na minha frente, cruzando a pista de caminhada na altura da minha cabeça, havia linha com cerol, que fui obrigado a tirar do caminho para não correr o risco de me cortar. Numa das pontas da linha havia um garoto enrolando a mesma numa lata sem a menor preocupação com a proibição dessa prática. Acho que os responsáveis por coibir essa situação estão esperando alguém se ferir gravemente ou mesmo morrer para dizer que estão tomando as medidas necessárias para que novos casos não ocorram. Ainda, tanto a GCM como a Polícia Militar, sabendo que essa prática coloca em risco a vida das pessoas, sabendo que nos finais de semana a situação piora, com crianças, adolescentes e adultos também subindo no telhado do SENAI para pegar pipas, sabendo que os seguranças do local são ameaçados, não deveriam tomar providências para coibir tais ocorrências?
    Quanto ao policiamento que a GCM (que deveria zelar pelo patrimônio público municipal, entre outras atribuições) alega fazer na área, posso dizer que, como frequentador do Parque da Vila Prudente, só vi um de seus carros, na semana passada, estacionado na frente do portão de entrada do SENAI, na Rua Aracati Mirim, enquanto no parque era visível a farra de pipas e linhas com cerol pertencentes a uma multidão que não se importava com sua presença.

  • Anônimo 25 de novembro de 2014, 19:03

    Parte 2
    Por coincidência, na mesma hora havia uma viatura da Polícia Militar (que deveria zelar pela segurança da população) estacionada na esquina da Rua Aracati Mirim com a Av. Francisco Falconi, onde os policiais que estavam ao lado do veículo também não intimidavam pessoas que dentro e fora do parque, flagrantemente colocavam em risco a vida dos demais.
    O que impede a GCM de colocar alguns guardas dentro do parque e junto com os seguranças impedirem a permanência e a entrada de pessoas com pipas e linha no local, já que isso é contra suas regras?
    O que impede os policiais militares, que estão sob as ordens do governador, de observar a Lei Estadual n.º 12.192, de 06/01/2006, que trata da proibição e punição cabível ao caso? O que os impede de coibir uma prática que afronta a segurança das pessoas e consequentemente afronta o próprio Código Penal?
    Certamente, o que falta, não digo a todos, mas à grande maioria (governantes e funcionários públicos, pessoas que votam mal em seus governantes e que não ensinam seus filhos a respeitarem os demais) é boa vontade, respeito a si e ao próximo, é o desejo de transformar o país numa verdadeira democracia, e não nesse arremedo que nos faz sofrer e nos envergonhar, infestado de gente que só olha o próprio umbigo, esquecendo que o que e quem nos cerca também nos afeta.