4 Comentários

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Por favor insira um comentário
Por favor informe seu nome
Informe uma url válida.
  • Anônimo 6 de dezembro de 2013, 20:49

    Ele estacionou em local proibido ( é uma esquina e fica ao lado de um hidrante ), como ocorre diuturna e rotineiramente no bairro e sofreu o acidente. É uma pena.

    Geralmente na Vila Zelina as pessoas estacionam seus carros onde querem – principalmente nas calçadas – e não ocorre nada, nem com elas, nem com seus veículos. Infelizmente, a lei da ação e reação não funciona assim. Já pensaram: os motoristas que estacionam seus carros na calçada da Rio do Peixe entre Sta Adeodata e Heras tendo seus veículos colhidos por caminhões ou meteoros caídos do céu, apenas por terem estacionado na calçada? Que bom seria!

    No caso da Rio do Peixe, um dia alguém obrigado a sair da calçada por causa dos veículos será atropelado, e aí virão as lamentações e pêsames. Só que TODOS SABEM o que ocorre ali. Eu já cansei de chamar a CET! É quase todo dia. E a rotina de ilegalidades prossegue: não bastassem os carros, temos as calçadas quase todas elas ilegais, sem contar também os bares super modernos e transados na Avenida Zelina que botam suas mesas e cadeiras na calçada e roubam o espaço dos pedestres! Até quando!

    • Anônimo 11 de dezembro de 2013, 19:10

      Isso não é novidade a CET aparece só quando alguém morre.
      Na vila Bela Rua Bahia Grande e Giestas no farol também são lugares super perigosos, na Bahia Grande os carros sobem e descem voando, já aconteceu vários acidentes e tem escolas por perto. Na giestas o farol entre a Giestas e Bahia Grande fecha rápido , tem farol de pedestre mas serve pra nada, fora os ônibus e carros que passam no farol vermelho.

      • Anônimo 13 de dezembro de 2013, 14:32

        A CET tem 3 vezes menos o efetivo necessário. O problema é que as pessoas – leia-se “os motoristas” – querem a CET longe daqui, pois desejam continuar cometendo seus crimes à vontade. É a vontade da maioria. Ou será possível que alguém ainda acredite na existência da tal “Indústria da Multa”? Eu sei, por exemplo, que dezenas de carros são estacionados nas calçadas da Baía Grande, todos os dias e em todos os horários e os donos jamais são multados. Acha mesmo que essas pessoas querem presença ostensiva da CET em nossas ruas? Nem os moradores do bairro e muito menos os jornais de bairro querem isso. Pra eles, carros são deuses.

  • Anônimo 10 de dezembro de 2013, 21:41

    Acabo de voltar de uma breve incursão pela Avenida Paes de Barros, na Moóca. Eu aguardava o ônibus no ponto anterior à Rua Pacheco Chavez. De cara, flagrei um veiculo estacionado com suas quatro rodas na calçada em frente ao “Despachante Everest”. Para matar o tempo, comecei a observar e contar os motoristas que iam no sentido bairro, e que falavam ao celular. Eram cerca de 18:30 hs. Nos 15 ou 20 minutos que passei nesse passatempo flagrei:
    – 13 motoristas falando ao celular, sendo que uma guiava um veículo de empresa http://www.assoalhospaulista.com.br/ ;
    – 3 motoristas digitando algo no celular ;
    – 1 motorista segurando o volante com as duas mãos, enquanto segurava junto ao volante um sanduíche que parecia um hamburguer
    – 1 veículo que estacionou na calçada oposta, em frente ao edifício Guanabara.

    Não preciso dizer que nenhum destes motoristas foi multado e que, obviamente, continuará com estes habitos.