17 Comentários

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Por favor insira um comentário
Por favor informe seu nome
Informe uma url válida.
  • Anônimo 28 de abril de 2013, 20:54

    Nos moradores da Rua Pacari da Mata estamos nos acostumando de ver a policia chegar e logo que ela sai o “pancadão” continua!
    Será que o comandante Geral da Policia Militar já pensou em morar aqui para sentir na pele ?

  • Anônimo 29 de abril de 2013, 15:28

    Gostaria de parabenizar tal ação. Outro detalhe na notícia que me chamou a atenção é que o 21º Batalhão informa que não há baile funk na região porém, eu como moradora da região, informo que eles não saibam porque não fazem ronda como deveriam nas sextas e sábados à noite. Na Rua Costa Barros – Vila Alpina, de 5 em 5 minutos passa um veículo com o som no último volume e, muitas vezes, param na rua com o som muito alto. Os alarmes dos carros que estão estacionados, são disparados e há uso de drogas. Já solicitei uma Base Comunitária Móvel via site da PM mas, sequer foi respondida a minha solicitação. FUNK não pertence a São Paulo e deve acabar!!! Só palavras fazendo apologia ao sexo de menores e vadiagem. Sou mãe, filha e esposa e exigo respeito na cidade onde moro e pago meus altíssimos impostos!!! Obrigada pelo espaço FVP, grande jornal comunitário.

    • Anônimo 21 de maio de 2013, 04:21

      ele disse apenas que não à baile FUnk na região. carros que passam nas vias com o som alto não se caraquiteriza um baile funk.. eles não podem tbm deixar de colocar uma base em um local que tem assaltos para colocar em um local que andam com o som alto.

  • Anônimo 26 de abril de 2013, 15:14

    Gostaria de parabenizar o projeto dos vereadores Álvaro Camilo (PSD) e Conte Lopes (PT), pois foi grande iniciativa, depois desses bailes funks em ruas publicas, o aumento de ocorrências e uso de droga e criminalidade, vem aumentando a cada dia, é só levantar uma investigação para analisar se é verdade ou não, sem dizer a falta de respeito com vizinhos.
    o som é alto demais chega a tremer as estruturas de casas, onde já se viu alguém tem que impor um limite.
    Parabéns vereadores ganharam ainda mais meu respeito e admiração pelo seu trabalho

  • Anônimo 26 de abril de 2013, 22:35

    NÃO DEVERIAM CHAMAR ESSA POLUIÇÃO SONORA DE “FUNK”, POIS O VERDADEIRO FUNK É DOS ANOS 70 E 80, MUSICA DE ALTA QUALIDADE, TENDO COMO PATRONO O GENIAL JAMES BROWN, ESSES BAILES “FUNKS” ATUAIS ‘FAVORECEM A PROSTITUIÇÃO, DENIGREM A IMAGEM DAS MULHERES E ALIMENTAM O CONSUMO DE DROGAS E ALCOOL ENTRE OS PARTICIPANTES.

  • Anônimo 29 de abril de 2013, 15:31

    Rua Costa Barros como passarela para esses marginais com o som no último volume. Consumo de drogas em frente a Pizzaria. Base Comunitária Móvel solicitada para nos proteger, somos mais de 5.000 moradores do número 2000 ao 2500 , com assaltos e sem segurança alguma. Porém, a Polícia Militar ignora tal situação.

  • Anônimo 29 de abril de 2013, 16:55

    Diz o ditado: “os incomodados que se mudem”. Tenho uma sobrinha que teve o desprazer de morar em 2011 numa casa no Jardim Tietê, onde, todos os sábados e domingos, rolava esses bailes funks bem em frente à sua casa. Já era um saco tolerar, pois tinha duas crianças pequenas em casa, mas a gota d’água foi ver um rapaz sendo esfaqueado bem em frente à sua casa, deixando toda a calçada ensanguentada. Ela resolveu então lavar a calçada e enquanto lavava, duas motos iam e voltavam a todo instante, como que fiscalizando o que ela fazia. Sabe o que ela fez? Dois dias depois já estava de mudança e hoje se encontra muito bem (melhor que muita gente) no interior de São Paulo.
    Conclusão: ou você fica a mercê dessa bandidagem que tomou conta de tudo ou faz como minha sobrinha, pois aqueles quem tem o dever de fiscalizar e restringir esses abusos nada fazem e ainda acham que estão fazendo muito.

  • Anônimo 31 de maio de 2013, 01:05

    aqui na rua da polka, na praça nova beira rio, o baile funk acontece todos os sábados e feriados, a policia passa e não faz nada eu já ligue para denuncia e nada! não a ordem nesta cidade mais, virou bagunça todo mundo faz o que quer.

  • Anônimo 21 de julho de 2013, 03:06

    Aqui no Sapopemba, mais precisamente na rua Carlo Clausetti todo sabado apartir da meia noite começa o chamado “pancadão”…barulho estarrecedor!!!! ninguem dorme e a rua fica tomada por pessoas consumindo drogas e bebidas, até crianças estram no circulo… é um absurdo o descaso conosco, moradores da rua que pagamos nossos impostos e lutamos com muita dificuldade para sobreviver neste mundo… a policia é acionada toda vez mas não resolvem nada!!! tenho certeza de que uma base da policia militar ou então uma bela repreção resolveria o problema…Meu Deus!!!! estamos no final dos tempos!!!! não aguento mais este barulho…alguém faça alguma coisaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!

    • Anônimo 9 de outubro de 2013, 12:46

      Verdade!!!!

      Ninguém aguenta mais …os moradores já não podem mais sair ou entrar em suas residencias, pois, os carros e as fecham completamente a rua…sem dó nem piedade.

  • Anônimo 21 de outubro de 2013, 03:48

    Cadê os pais destes adolescentes que frequentam essas orgias a céu aberto? E os conselhos tutelares? Fiquei com vontade de filmar o que ocorreu em frente a minha residência e colocar na internet para os responsáveis e familiares apreciarem.As letras desse som incitam à pornografia, pedofilia e degredação da mulher e além do transtorno do barulho, nos constrangem com os termos chulos repetindo-se sem fim. É insuportável ficar em casa e nem se pode sair pois os carros fecham a saída de nossas garagens.Será que teremos que fazer justiça surtando e partindo para agressão desses baderneiros?Terra de ninguém ou de bandidos?SOCORROOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Anônimo 4 de novembro de 2013, 03:09

    moro em São mateus mais o baile funk da praca do vinho esquina com morro do espia pelo visto vou ter que mudar porque o governo nao faz nada e pior quem vai querer comprar as casas da regiao a impunidade vence os honesto

  • Anônimo 5 de outubro de 2014, 17:32

    cadê a lei que ira proibir os bailes funk, aqui na rua antonio augusto filho, tem comercio que promove bailes todos os domingos das 17hs da tarde ate as 3hs da madrugada de segunda feira, QUAL O CIDADÃO QUE CONSEGUE TER SOSSEGO OU DESCANSAR PARA TEABALHAR LOGO AS 5HS, ATE QUANDO VAMOS TER QUE AGUENTAR ESSA ´´MANIFESTAÇÃO CULTURAL´´ O 190 NÃO DA CONTA DE NOS SOCORRER, A PREFEITURA NÃO CONSEGUE APLICAR OU FECHAR O COMERCIO, PRA ONDE CORRER?????????

  • Anônimo 1 de março de 2015, 12:30

    Moro aqui na rua Josef labor no parque bancário na Sapopemb a é um inferno no fins de semana é funk e vizinho escutando som alto é verdadeiro inferno não respeitam a gente chama a policia mais N aparecem

  • Anônimo 19 de abril de 2015, 17:34

    Há meses nós, moradores, vimos sofrendo com a “terra sem lei” que se tornou esta rua que resido. Uma rua onde bailes funks são rotineiros (todos os sábados à noite até a madrugada de domingo e todos os domingos a tarde). Inclusive esta semana alguns marginais grafitaram na rua um “mapa” para se chegar ao “fluxo”. Chamamos a polícia, porém a cada 15 chamados, eles aparecem em 1. O atendimento está sendo ineficiente e o nosso sossego acabou. É impossível trabalhar bem sendo que passamos por noites em claro escutando os “batidões” cheios de pornografia.
    A Rua é a Rio do Ouro, aqui na Vila Curuçá. São Paulo – SP.