Museu da Imigração reabre ao público


Após sete meses fechado por causa da pandemia de Covid-19, o Museu da Imigração, na Mooca, volta a receber o público nesta quinta-feira, dia 22. Nesta retomada, o funcionamento é de quinta a domingo, das 11h às 17h. É liberada a entrada de 40 visitantes a cada meia hora.

Ocorre aferição de temperatura corporal antes da entrada e é obrigatório o uso de máscara de proteção facial durante todo o período de permanência na área do museu.

O Centro de Preservação, Pesquisa e Referência; a estação ferroviária e o espaço “Semear leitores” continuam fechados temporariamente. A cantina e a cafeteria reabrem na próxima quinta-feira, dia 29.

Respiro


Para a reabertura, o Museu montou a instalação “Respiro” que levanta questões que relacionam o isolamento social com os sentimentos de um migrante, que se encontra afastado de seus lugares, afetos e rotinas. Por meio de frases e questionamentos, a iniciativa visa fomentar uma reflexão sobre a situação mundial, a proximidade e a semelhança com o outro e valorizar a importância do contato com a natureza.

Museu da Imigração: rua Visconde de Parnaíba, 1316, Mooca. Ingresso: R$ 10 – a bilheteria fecha às 16h. Estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia. Gratuito para crianças até 5 anos.

 

CERET tem o horário de funcionamento ampliado


De acordo com portaria publicada no Diário Oficial da Prefeitura ontem, o Centro Esportivo do Trabalhador, mais conhecido como CERET, voltou a funcionar a partir de hoje no horário normal: de segunda a sexta-feira das 6h às 22h e aos sábados, domingos e feriados das 6h às 20h
. O uso de máscaras de proteção continua obrigatório para todos os servidores e frequentadores.

Segundo a Secretaria Municipal de Esportes, estão liberadas apenas as atividades de caminhada ao ar livre, corrida e passeios, permanecendo proibidos os esportes em grupo. Quadras, ginásios, campos, piscinas, playgrounds e academias seguem interditados.

Foi informado que o número de portões de acesso continuará reduzido para facilitar o controle da entrada de pessoas. De acordo com a portaria, o espaço deve funcionar com até 60% da capacidade e os frequentadores precisam cumprir as orientações de distanciamento social. Haverá medição de temperatura na entrada e se o usuário acusar mais que 37,5°, será barrado.

O CERET tem área de 286.000 m². Não conta com estacionamento.

CERET: rua Canuto de Abreu, s/n°, Tatuapé.

Juventus estreia dia 4 na Copa Paulista

A Copa Paulista 2020 será disputada por 20 equipes, divididas em cinco grupos com quatro clubes em cada. A competição começa dia 4 de novembro e a grande decisão está prevista para 23 de dezembro.

O Juventus integra o Grupo 4, ao lado de Ponte Preta, Portuguesa Santista e São Bernardo. A partida de estreia do time da Mooca será no próximo dia 4, às 15h, no estádio Conde Rodolfo Crespi, diante do São Bernardo. Por causa da pandemia, os jogos acontecem sem torcidas.

Os próximos jogos do Juventus na primeira fase serão dias 11 contra Ponte Preta (fora de casa) e 14 contra a Portuguesa Santista (em casa). Depois acontecem as partidas de volta com os mesmos times do grupo: dia 18 Portuguesa, dia 22 Ponte Preta e dia 25 São Bernardo. Todos os confrontos estão marcados para às 15h.

Conforme as regras da competição, os três melhores times de cada chave, mais o quarto melhor colocado geral, estarão classificados para a disputa das oitavas de final. A partir da segunda fase, o torneio será decidido no mata-mata, sempre com jogos de ida e volta.

(Foto: Treino da equipe no estádio Conde Rodolfo Crespi – Ale Vianna/C.A. Juventus)

Clássico no estacionamento do Teatro Arthur Azevedo


A companhia Bendita Trupe apresenta até 8 de novembro, no Teatro Municipal Arthur Azevedo, na Mooca, o  espetáculo “Protocolo Volpone, um clássico em tempos pandêmicos”. As sessões acontecem de quarta a sábado às 20h e aos domingos às 18h.

Neste retorno ao teatro presencial, a companhia inaugura um formato inédito de receber o público: 20 cabines individuais foram instaladas no estacionamento para o espectador ter mais segurança.

Como são apenas 20 vagas por apresentação, a reserva de ingresso abre sempre às 11h do dia anterior pelo link na página do Instagram da companhia: @benditatrupe. A contribuição é voluntária, de R$ 0 a R$ 20.

O espetáculo é uma comédia clássica de 1606 e um dos textos mais encenados no Reino Unido. Volpone é um homem especialista na arrecadação de riquezas. Para acumular mais, finge estar agonizante e diverte-se com o desfile de bajuladores que, na expectativa de serem contemplados em seu testamento, o enchem de favores e se prestam a todas as humilhações.

Classificação etária indicada 12 anos. Obrigatório o uso da máscara para ter acesso ao espetáculo.

Teatro Arthur Azevedo: avenida Paes de Barros, 955, Mooca.

Fábricas de Cultura voltam a atender o público


As Fábricas de Cultura da Zona Leste, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, voltaram a atender o público nesta semana. A retomada ocorre de forma gradual, com funcionamento de terça a domingo, conforme a seguinte programação:

Bibliotecas
Desde o último dia 20, as Bibliotecas funcionam de terça a sábado das 10h às 15h. A partir do dia 27 o horário será estendido até as 16h.

Estúdios e ensaios
Os estúdios voltam a atender com agendamento prévio. A disponibilização de salas para ensaios também será retomada mediante agendamento.

Aulas presenciais
A partir do dia 27 as aulas presenciais retornam. Nesta primeira fase, o atendimento ocorre em  sistema misto com atividades presenciais, mas mantendo também as ações online.
A capacidade máxima de retorno presencial está condicionada a 60% da quantidade de vagas de cada curso, podendo ser menor diante do tamanho de cada sala.

Orientações comuns a todos os públicos (aprendizes, visitantes, funcionários, fornecedores e parceiros):

– uso de máscara é obrigatório durante toda permanência nas unidades;
– manter distância de 2 metros entre as pessoas;
– caso apresente temperatura de 37,5° ou mais a entrada não será permitida;
– lave e higienize as mãos sempre;
– use álcool em gel (o produto será disponibilizado na entrada e em todos os andares das Fábricas);
– não compartilhar materiais e respeitar as regras de cada ambiente.

Confira as unidades na região:

Fábrica de Cultura Sapopemba
Rua Augustin Luberti, 300 – telefone: 2012-5803

Fábrica de Cultura Parque Belém
Avenida Celso Garcia, 2. 231 – telefone: 2618-3447

Teatro Arthur Azevedo reabre com o clássico Volponi


Depois de meses de muitas lives, o teatro presencial está de volta! De hoje, dia 16, até domingo, dia 18, a companhia Bendita Trupe faz a pré-estreia do espetáculo teatral “Protocolo Volpone, um clássico em tempos pandêmicos” no estacionamento do Teatro Municipal Arthur Azevedo, na Mooca. A temporada deve ser estendida até 8 de novembro, com apresentações de quarta a sábado às 20h e aos domingos às 18h.

A Bendita Trupe investiga os protocolos do teatro no retorno ao presencial antes da vacina contra a Covid-19, inaugurando um formato inédito de receber o público: são 20 cabines individuais para o espectador ter mais segurança.

A reserva individual de ingresso deve ser feita às 11h do dia anterior obrigatoriamente pelo link na página do Instagram da companhia: @benditatrupe. A contribuição para esse fim de semana de pré-estreia é voluntária, de R$ 0 a R$ 20.

O espetáculo é uma comédia clássica de 1606 e um dos textos mais encenados no Reino Unido. Volpone é um homem sem filhos, especialista na arrecadação de riquezas e, para mais acumular, finge estar agonizante e diverte-se com o desfile de bajuladores que, na expectativa de serem contemplados em seu testamento, o enchem de favores e se prestam a todas as humilhações.

A classificação etária indicada é 12 anos e serão sempre 20 lugares disponíveis por sessão. A companhia ressalta a obrigatoriedade da máscara de proteção para ter acesso ao espetáculo e pede a chegada com, no mínimo, 10 minutos de antecedência ao local porque os protocolos de distanciamento e segurança demandam mais tempo para que todos sejam acomodados corretamente.

Teatro Arthur Azevedo: avenida Paes de Barros, 955, Mooca.

Museu da Imigração na Mooca reabre dia 22
Com a entrada da Capital na fase verde do Plano São Paulo, museus, teatros, salas de espetáculo e bibliotecas estão autorizados a funcionar seguindo protocolos sanitários e de segurança para evitar contágios de Covid-19. O Museu da Imigração, na Mooca, agendou a sua reabertura ao público para o próximo dia 22, quinta-feira da semana que vem.
Inicialmente o funcionamento será apenas de quinta a domingo, das 11h às 17h – a bilheteria fica aberta até as 16h. Será liberada a entrada de 40 visitantes a cada meia hora. O tempo médio do tour dentro do museu é de aproximadamente uma hora.
Serão obrigatórios a aferição de temperatura antes da entrada e uso de máscara de proteção facial durante todo o período de permanência na área do museu. É recomendado manter a distância de 1,5 metro de outras pessoas. Haverá dispensers de álcool em gel para a higienização das mãos distribuídos pela edificação.
Foi informado que o Centro de Preservação, Pesquisa  e Referência permanecerá sem atendimento presencial. A estação ferroviária, o espaço “Semear leitores” e a cafeteria também permanecerão fechados nesse primeiro momento de retorno do público.
Museu da Imigração: rua Visconde de Parnaíba, 1316, Mooca. Ingresso: R$ 10. Estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia entrada. Gratuito para crianças até 5 anos. Mais informações: museudaimigracao.org.br/

 

Mostra sobre a Vila Prudente no Central Plaza

O Central Plaza Shopping inaugurou a exposição “Vila Prudente, Eu te Amo! 130 anos”, em parceria com a Folha e o Círculo de Trabalhadores. A mostra ocorre até 3 de novembro e reúne 22 fotos que retratam a evolução e a história do bairro.

A exposição foi montada no Espaço Cultural Central Plaza, no corredor principal, e pode ser visitada gratuitamente no horário de funcionamento do shopping.

Também é possível contemplar a exposição virtualmente através do site centralplazashopping.com.br. O Central Plaza Shopping lembra que faz parte da história da Vila Prudente há 21 anos.

Central Plaza Shopping: avenida Dr. Francisco Mesquita, 1000, Vila Prudente. Estacionamento gratuito por 2 horas.

Fase Verde do Plano São Paulo: veja o que muda


Desde o último dia 10, a região da Grande São Paulo entrou na chamada fase verde do Plano São Paulo de controle da pandemia de Covid-19 e retomada de atividades econômicas não essenciais.
Essa classificação vigora, pelo menos, até 16 de novembro – se não houver piora dos índices definidos pelo Centro de Contingência do Coronavírus.

Na fase verde, o rol de permissões para atendimento presencial é ampliado para atividades culturais, convenções e eventos sociais ou de negócios – sempre com restrições de acesso e os devidos protocolos sanitários. Museus estão programando as reaberturas.

Atividades que gerem aglomeração, tais como festas, baladas, presença de torcedores em eventos esportivos e grandes shows com público em pé continuam proibidas. A liberação só deve acontecer em eventual avanço para a fase azul ou após a disponibilização de uma vacina contra o coronavírus.

Com a mudança de fase, outras atividades que já estavam funcionando tiveram maior flexibilização de horário e ocupação. O atendimento em todos os setores liberados pode ser feito por até 12 horas diárias, com máximo de 60% da capacidade.

Para bares, restaurantes e demais estabelecimentos com consumo local de alimentos e bebidas, o atendimento presencial é permitido entre 6h e 22h, desde que respeitados os limites de 12 horas de expediente. Os estabelecimentos com funcionamento noturno devem fechar as portas às 22h, mas podem autorizar a permanência de clientes que já estão no local até as 23h.

O Governo do Estado ressalta que a população deve manter a higiene frequente das mãos, o distanciamento social e o uso obrigatório de máscaras em locais de acesso coletivo e nos veículos de transporte público ou por aplicativo.

Confiras as regras vigentes para cada setor no link: https://www.saopaulo.sp.gov.br/planosp/

Movimento pelo Parque Vila Ema cobra agilidade da Prefeitura


Na manhã da última quarta-feira, dia 7, o secretário municipal do Verde e Meio Ambiente, Rodrigo Pimentel Ravena, participou de reunião através de plataforma online com integrantes do movimento Viva o Parque Vila Ema. O encontro foi realizado a pedido da vereadora Juliana Cardoso (PT), que apoia a causa.

Há dez anos o grupo luta para que o terreno de 17 mil m² na esquina da avenida Vila Ema com a rua Batuns seja transformado em parque público. A Folha acompanha essa história desde o início e dá apoio à reivindicação. O espaço foi uma antiga chácara de imigrantes alemães e ainda hoje abriga centenas de árvores, algumas nativas da Mata Atlântica; uma infinidade de pássaros e nascente de água. Após intensa mobilização da comunidade, a área foi incluída no Plano Municipal de Mata Atlântica (PMMA) e como Zona Especial de Proteção Ambiental (ZEPAM) no último Plano Diretor Estratégico da cidade.

A intenção da empresa proprietária do espaço, a Construtora Tecnisa, era construir torres residenciais no local. Com a classificação do terreno como ZEPAM, só poderia utilizar parte do terreno. Agora, a construtora e o governo municipal negociam a Transferência de Direito de Construir (TDC), prática permitida pela legislação e regulada pelo Plano Diretor. Na prática, a Prefeitura fica com o terreno em troca de cessão para a empresa de potencial construtivo em outra região da cidade.

Porém, integrantes do Movimento cobram agilidade nesta negociação que se arrasta há mais de um ano. Matéria da Folha de outubro do ano passado, destacava que a “Prefeitura pretendia dar um desfecho para o caso ainda naquele mês”.

Durante a reunião online, Ravena ressaltou que para a Secretaria Municipal do Verde, todos os trâmites foram cumpridos e a criação do parque está aprovada. De acordo com ele, o processo corre agora na Procuradoria Geral do Município (PGM), para discussão do valor do TDC.

“Essa tratativa está demorando demais, pedimos até para o secretário do Verde autorização para cuidar da área, enquanto não resolvem essa prática burocrática, mas ele ressaltou que oficialmente a área ainda pertence à construtora e nem isso podemos fazer”, destaca Fernando Salvio, fundador do movimento Viva o Parque Vila Ema. “Nosso próximo passo será procurar a PGM. A negociação do valor é determinada pelo Plano Diretor, não entendemos porque essa demora toda”.