Mostra dos 130 anos da Hospedaria dos Imigrantes

Em 5 junho de 1887, a Hospedaria de Imigrantes do Brás recebeu o seu primeiro grupo de imigrantes. Deste dia em diante, milhões de outras vidas também passaram pelo complexo de prédios, onde hoje funciona o Museu da Imigração. Para homenagear os 130 anos de história do local, está em cartaz a exposição temporária “Hospedaria 130”.

Foi o desejo de desvendar o que está além dos registros oficiais que direcionou a pesquisa realizada para criar a nova exposição. O entendimento de que a história ultrapassa as informações contidas nas fontes tradicionais levou a equipe de curadoria a vasculhar jornais, relatórios, correspondências, livros de achados e perdidos, cadernos de ocorrências da enfermaria, plantas e fotografias. Todo o material consultado foi estudado e possibilitou a reconstrução de muitas das memórias que estavam perdidas no passado da Hospedaria.

Para refazer o caminho percorrido nesses 130 anos, a mostra foi dividida em três módulos: lugar, vivências e materialidade. No primeiro deles, o público poderá entender melhor como ocorreu o processo de construção da Hospedaria, a escolha de sua localização e os diferentes usos de seu complexo de prédios. O segundo apresenta, por meio de relatos, aspectos sobre a vida daqueles que estiveram na Hospedaria e sobre acontecimentos que marcaram o cotidiano do local. Por fim, o terceiro módulo traz uma abordagem mais material, que oferece uma perspectiva do edifício a partir de listas de compras, registros de achados e perdidos e objetos de uso comum.

Além da área interna, a exposição se estender ao jardim do museu com totens, que mostram fotografias antigas no exato local onde o fotógrafo se posicionou anos atrás. A proposta, desta parte da mostra, é permitir que os visitantes possam projetar cenas e eventos do passado.

Museu da Imigração: rua Visconde de Parnaíba, 1316, Mooca. Funcionamento de terça a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos das 10h às 17h. Os ingressos para visitar as exposições do Museu custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada). Entrada franca aos sábados. Mais informações:  www.museudaimigracao.org.br.

Universidade sofre interdição parcial após surgimento de rachaduras

Estudantes do período noturno do campus Vila Prudente da Universidade Uninove ficaram bastante assustados no último dia 17. Conforme relatos e fotos que chegaram à Folha, após um apagão e forte cheiro de queimado, surgiram grandes rachaduras em vários pontos do amplo prédio na avenida Anhaia Mello. As fissuras também apareceram dentro de salas de aulas.

Alunos que entraram em contato com o jornal relataram que foram momentos de grande apreensão. Várias denúncias também foram feitas à Prefeitura, motivando a visita da Defesa Civil da Prefeitura Regional Vila Prudente na manhã seguinte, dia 18. Após vistoria dos oito andares da universidade, ficou constatado que as rachaduras foram ocasionadas pela junta de dilatação entre a edificação velha com a edificação nova.

A Defesa Civil acionou os engenheiros da Prefeitura, o imóvel foi parcialmente interditado e a Associação Educacional Nove de Julho (Uninove) foi intimada a dar início às medidas necessárias para a solução do problema, sob pena de multa e demais sanções previstas nos termos da Lei.

Ainda segundo a Defesa Civil, a interdição atinge a passagem dos prédios, mas não houve abalo estrutural na edificação. A Secretaria Municipal das Prefeituras Regionais confirmou a informação de que não há risco estrutural. Foi esclarecido que a instituição apresentou o cronograma de execução e reparos a serem realizados no prazo de 28 dias. A previsão de conclusão é para o dia 18 de setembro.

A Folha também procurou, por e-mail e telefone, a Universidade Uninove. Apesar da confirmação de que o e-mail com diversas questões foi lido pela assessoria de imprensa da instituição, não houve resposta até o fechamento desta edição na noite de ontem.