Mostra dos 130 anos da Hospedaria dos Imigrantes

Em 5 junho de 1887, a Hospedaria de Imigrantes do Brás recebeu o seu primeiro grupo de imigrantes. Deste dia em diante, milhões de outras vidas também passaram pelo complexo de prédios, onde hoje funciona o Museu da Imigração. Para homenagear os 130 anos de história do local, está em cartaz a exposição temporária “Hospedaria 130”.

Foi o desejo de desvendar o que está além dos registros oficiais que direcionou a pesquisa realizada para criar a nova exposição. O entendimento de que a história ultrapassa as informações contidas nas fontes tradicionais levou a equipe de curadoria a vasculhar jornais, relatórios, correspondências, livros de achados e perdidos, cadernos de ocorrências da enfermaria, plantas e fotografias. Todo o material consultado foi estudado e possibilitou a reconstrução de muitas das memórias que estavam perdidas no passado da Hospedaria.

Para refazer o caminho percorrido nesses 130 anos, a mostra foi dividida em três módulos: lugar, vivências e materialidade. No primeiro deles, o público poderá entender melhor como ocorreu o processo de construção da Hospedaria, a escolha de sua localização e os diferentes usos de seu complexo de prédios. O segundo apresenta, por meio de relatos, aspectos sobre a vida daqueles que estiveram na Hospedaria e sobre acontecimentos que marcaram o cotidiano do local. Por fim, o terceiro módulo traz uma abordagem mais material, que oferece uma perspectiva do edifício a partir de listas de compras, registros de achados e perdidos e objetos de uso comum.

Além da área interna, a exposição se estender ao jardim do museu com totens, que mostram fotografias antigas no exato local onde o fotógrafo se posicionou anos atrás. A proposta, desta parte da mostra, é permitir que os visitantes possam projetar cenas e eventos do passado.

Museu da Imigração: rua Visconde de Parnaíba, 1316, Mooca. Funcionamento de terça a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos das 10h às 17h. Os ingressos para visitar as exposições do Museu custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada). Entrada franca aos sábados. Mais informações:  www.museudaimigracao.org.br.

Universidade sofre interdição parcial após surgimento de rachaduras

Estudantes do período noturno do campus Vila Prudente da Universidade Uninove ficaram bastante assustados no último dia 17. Conforme relatos e fotos que chegaram à Folha, após um apagão e forte cheiro de queimado, surgiram grandes rachaduras em vários pontos do amplo prédio na avenida Anhaia Mello. As fissuras também apareceram dentro de salas de aulas.

Alunos que entraram em contato com o jornal relataram que foram momentos de grande apreensão. Várias denúncias também foram feitas à Prefeitura, motivando a visita da Defesa Civil da Prefeitura Regional Vila Prudente na manhã seguinte, dia 18. Após vistoria dos oito andares da universidade, ficou constatado que as rachaduras foram ocasionadas pela junta de dilatação entre a edificação velha com a edificação nova.

A Defesa Civil acionou os engenheiros da Prefeitura, o imóvel foi parcialmente interditado e a Associação Educacional Nove de Julho (Uninove) foi intimada a dar início às medidas necessárias para a solução do problema, sob pena de multa e demais sanções previstas nos termos da Lei.

Ainda segundo a Defesa Civil, a interdição atinge a passagem dos prédios, mas não houve abalo estrutural na edificação. A Secretaria Municipal das Prefeituras Regionais confirmou a informação de que não há risco estrutural. Foi esclarecido que a instituição apresentou o cronograma de execução e reparos a serem realizados no prazo de 28 dias. A previsão de conclusão é para o dia 18 de setembro.

A Folha também procurou, por e-mail e telefone, a Universidade Uninove. Apesar da confirmação de que o e-mail com diversas questões foi lido pela assessoria de imprensa da instituição, não houve resposta até o fechamento desta edição na noite de ontem.

Novo prefeito regional tem experiência na vida pública

Desde o último dia 18, o advogado Guilherme Kopke Brito, de 40 anos, é o novo prefeito regional de Vila Prudente. Portaria do prefeito João Doria (PSDB) publicada no mesmo dia, no Diário Oficial do Município, exonerou Jorge Farid Boulos do cargo. Farid respondia pela administração local desde o início da gestão em janeiro.

De acordo com nota divulgada à imprensa pela Secretaria Municipal das Prefeituras Regionais, Farid saiu a pedido e prosseguirá colaborando com o trabalho da administração municipal, em outra função. Mas, não foi divulgada qual. A mesma explicação foi dada para a exoneração do Prefeito Regional da Penha, Jurandir Junqueira, também ocorrida no dia 18.

A Secretaria definiu que o novo prefeito regional tem perfil técnico. Até então, Brito era chefe de gabinete da vizinha Prefeitura Regional Sapopemba. Na vida pública, acumula, entre outras funções, os cargos de coordenador de Administração e Finanças da então Subprefeitura de Vila Mariana, assessor da presidência da Companhia de Seguros do Estado de São Paulo (COSESP) e diretor de Gestão Institucional da Companhia Paulista de Obras e Serviços. Também coordenou projetos especiais na Secretaria de Estado da Cultura, como a reabertura e restauração do Caminho do Mar (estrada velha de Santos) e a reabertura e transformação da Casa Das Rosas na avenida Paulista em espaço de literatura e poesia, ainda na Secretaria foi diretor de fomento e difusão de produção cultural. (Kátia Leite)

Extinto colégio em Vila Prudente é foco de problemas

Fechado há cerca de dois anos, quando uma escola particular que funcionava no local foi despejada por falta de pagamento de aluguel, o grande prédio na esquina da rua Carlos Muller com a Dona Genoveva D’Ascoli, em Vila Prudente, está preocupando a vizinhança. O portão de um dos acessos foi destruído e, com isso, o imóvel passou a acumular entulho, sujeira e abrigar moradores em situação de rua. Há relatos de que já ocorreram até princípios de incêndio no local.

“É lamentável a situação deste prédio. Tem valor histórico para o bairro porque foi nele que funcionou durante muitos anos o Colégio José de Anchieta, onde muitos vilaprudentinos estudaram”, comenta o morador da rua Carlos Muller, Antonio de Assis. “A quantidade de ratos e mosquitos tem aumentado na redondeza e tenho certeza que é por causa da condição do imóvel”, completa.

Quem também está indignada com a situação é a moradora da região, Eliza Cristina Zuntini. “Uma das entradas, na rua Dona Genoveva D’Ascoli, já foi alvo de um incêndio. Este espaço está ocupado por moradores de rua. Além do mau cheiro e a presença de bichos, outros acidentes podem ocorrer. Os proprietários do prédio precisam ser acionados para tomarem providências”, reclama.

Procurada pela Folha, a Prefeitura Regional Vila Prudente informou que para o imóvel em questão consta ação fiscal e o proprietário foi intimado a colocar o prédio em condições de estabilidade e segurança sob pena de multas.

Sobre os moradores em situação de rua, a Folha encaminhou o caso para a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social e o órgão afirmou que o prédio é particular, portanto não é permitida a entrada da equipe do Serviço Especializado de Abordagem Social (SEAS). Foi ressaltado que na região há um Centro de Acolhida Especial (CAE) para famílias com capacidade de atendimento para 100 pessoas e, caso falte vagas, há o redirecionamento para outros serviços da rede socioassistencial.

 

Doria exonera prefeito regional de Vila Prudente

Portaria assinada ontem pelo prefeito João Doria (PSDB) e publicada hoje, dia 18, no Diário Oficial do Município, exonera Jorge Farid Boulos (foto) do cargo de Prefeito Regional de Vila Prudente. Farid ficou menos de oito meses no cargo. Ele assumiu a Vila Prudente no início da gestão Doria em janeiro.

De acordo com a Secretaria Municipal  das Prefeituras Regionais, Farid deixou o cargo a pedido e prosseguirá colaborando com o trabalho da administração municipal, em outra função. Mas, não foi mencionada qual. A mesma explicação foi dada para a exoneração do Prefeito Regional da Penha, Jurandir Junqueira, também ocorrida hoje.

Para o lugar de Farid na Vila Prudente, o prefeito nomeou Guilherme Kopke Brito que até então era chefe de gabinete da Prefeitura Regional Sapopemba e segundo a Secretaria, tem perfil técnico. Brito é advogado e dentre outras funções, foi coordenador de Administração e Finanças da Prefeitura Regional de Vila Mariana, assessor da COSESP e diretor da Companhia Paulista de Obras e Serviços. Também foi diretor de fomento e difusão de produção cultural da Secretaria de Estado da Cultura, área em que colaborou em projetos diversos. (Kátia Leite)

 

UBS Vila Ema fica para março de 2018

A Unidade Básica de Saúde (UBS) Vila Ema já deveria estar atendendo a comunidade. Com obras iniciadas em agosto de 2015, tinha prazo de conclusão de 360 dias. No entanto, só o que a vizinhança consegue comemorar por enquanto é a retomada dos trabalhos de construção nesta semana.

Por falta de repasse de verba da Prefeitura, a Guerrero Construtora, responsável pela construção, suspendeu os trabalhos em abril. Foi a segunda paralisação da obra. A outra aconteceu em maio do ano passado também por falta de pagamento do governo municipal.

Questionada pela reportagem, a Secretaria Municipal de Saúde informou que houve a liberação de empenho no valor de R$ 1,2 milhão para a continuidade da construção da UBS. Foi ressaltado ainda que a Secretaria Municipal de Serviços e Obra retomou as obras no último dia 4. Agora, o novo prazo de previsão para conclusão é março de 2018.

A vizinhança, que estava preocupada com o abandono do canteiro de obras, notou o retorno dos operários na última segunda-feira, dia 14. No entanto, após meses fechado, a primeira providência foi a limpeza do terreno. “Estávamos apreensivos com esse baita imóvel largado. Por causa da paralisação total dos trabalhos, começamos a notar a presença de moradores de rua, usuários de drogas e indivíduos suspeitos dentro do terreno. É um absurdo ter que conviver com essa situação em um local que já deveria ser de saúde”, comenta uma vizinha que pediu para o nome não ser identificado. “É uma luta de mais de 30 anos da comunidade para ter esse posto. Todo mundo comemorou quando começaram as obras, mas não imaginávamos que viraria esse drama”, completa.

Apesar do anúncio da retomada, a reportagem esteve na obra na última terça-feira e no endereço oficial da futura unidade, na rua Gustavo Stach, o cenário ainda era de total abandono, com os tapumes que isolam o terreno totalmente pichados e lixo dentro do espaço.

O projeto prevê a construção de prédio de 1.084 m², com dois pavimentos, nove consultórios, salas de saúde bucal e raio-x, espaço para vacinas e coleta de sangue para exames e farmácia. A previsão é que a UBS Vila Ema tenha capacidade de atendimento para 28 mil habitantes. (Kátia Leite)

CET afirma que “já fez” debate em Vila Prudente

Em junho, a Prefeitura anunciou uma audiência pública para discutir a adequação e a melhoria da rede cicloviária na região de Vila Prudente. O evento estava marcado para ocorrer na sede da Prefeitura Regional no dia 30 daquele mês e foi amplamente divulgado. No entanto, no dia anterior, a audiência foi cancelada sem explicações e não foi estipulada nova data.

A Folha questionou a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a Prefeitura Regional sobre a previsão para realizar a prometida audiência em Vila Prudente e a Companhia de Engenharia de Tráfego alegou no último dia 4 que o debate foi realizado em 10 de julho, ocasião em que foram coletadas sugestões da comunidade. No entanto, nessa data, segundo o próprio site da Prefeitura, a audiência foi em Cidade Tiradentes – contrariando inclusive a afirmação do governo municipal de que Vila Prudente seria a primeira região avaliada justamente porque foi onde detectaram os maiores problemas nas ciclovias implantadas na gestão anterior.

A reportagem cobrou novamente a CET.

Entidade social com mais de 180 crianças pode encerrar atividades


Conveniado da Prefeitura desde 2010, o Centro para Crianças e Adolescentes (CCA) São Pedro Apóstolo, com sede na avenida Alberto Ramos, 614, Jardim Independência, pode fechar as portas. A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) não repassou a verba do convênio e 188 crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e extrema pobreza estão prestes a ficar sem atendimento. Após algumas mobilizações de funcionários do CCA e pais das crianças atendidas, a Secretaria informou na última quarta-feira, dia 2, que a renovação de contrato foi publicada em Diário Oficial da última terça-feira, dia 1º, e o repasse seria liberado hoje. No entanto, o que também preocupa os profissionais da entidade é que o contrato sempre foi renovado a cada 24 meses e agora, a atual administração tem prorrogado o convênio mensalmente, o que gera incertezas.

A entidade funciona há sete anos em parceria com a SMADS, responsável pelo repasse de recursos. O valor mensal destinado ao CCA é de R$ 60 mil para custear alimentação, 12 funcionários, material pedagógico e outras despesas.

“Sem o repasse da Secretaria não temos como nos manter aberto. O contrato com a Prefeitura foi encerrado no dia 31 de junho e acabou sendo estendido até 31 de julho, mas não recebemos recursos neste último mês. Tivemos que nos virar com doações e muito voluntariado”, comenta Camila Prada da Silva, que colabora de forma voluntária com a gestão da unidade, além de ajudar na oficina de artes.

Segundo Camila, o contrato sempre foi renovado a cada 24 meses, mas a atual administração tem prorrogado o convênio apenas mês a mês, deixando um clima de incerteza em relação à continuidade do serviço. “Desta forma estaremos sempre inseguros se a verba entrará ou não. Será difícil planejarmos melhorias e mantermos funcionários. Temos 63 crianças cadastradas na fila de espera para serem atendidas. No atual momento de crise o correto é ampliar o serviço e não fechar”, destaca a voluntária alertando que o CCA funcionou durante os últimos 31 dias sem receber o pagamento. “Só conseguimos abrir as portas nesta semana porque recebemos doações de alimentos da própria comunidade atendida e os funcionários já estão de aviso prévio”, completa.

Ciclistas improvisam faixa exclusiva no viaduto Bresser

Um grupo de 130 cicloativistas pintou uma ciclovia no meio das pistas do viaduto Bresser, que liga o bairro da Mooca ao Brás. A ação começou na noite de sexta-feira, dia 28 e foi finalizada na madrugada de sábado, 29. Segundo eles, a principal intenção é chamar a atenção da Prefeitura para a necessidade de conexão da zona leste com a região central por meio de ciclovias.

A pintura improvisada foi feita por pessoas que participaram da Bicicletada – manifestação que parte toda última sexta-feira do mês da Praça do Ciclista na avenida Paulista e percorre ruas e avenidas da cidade. “O nosso objetivo com esta ação foi proteger quem utiliza bicicleta, alertar o poder público sobre essa necessidade e mostrar que esse viaduto é estratégico e importante na rota dos ciclistas”, comenta o cicloativista Eduardo dos Santos, o Magrão, um dos idealizadores da ação. “Outro objetivo é alertar a sociedade sobre o aumento das mortes de quem utiliza este transporte em São Paulo. Houve um crescimento de 75% nas mortes de ciclistas da capital no primeiro semestre de 2017 comparado com o mesmo período do ano passado”, conta Magrão.

“Na gestão passada havia a promessa de que este viaduto receberia uma ciclovia. Mudou o governo e nada aconteceu. Os carros passam em alta velocidade pelo local por não possuir radar ou outro inibidor. E é um dos principais acessos ao centro de quem utiliza bicicleta”,

Questionada pela Folha, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que a sinalização improvisada no viaduto traz riscos aos ciclistas, por não seguir a regulamentação estabelecida pelo órgão de trânsito. Foi ressaltado que está em andamento a elaboração de um projeto cicloviário para a região, que irá permitir a conectividade entre as rotas e mais segurança aos adeptos da bicicleta. O órgão esclareceu que o compromisso da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes continua sendo de incentivar o uso da bicicleta como modal de transporte.